Lucro ou faturamento: quais as diferenças?

Finanças
Publicada em 27/02/2019 - Fonte: Serasa Empreendedor

No dia a dia de uma empresa, é comum que certos conceitos causem confusões de entendimento, ainda mais quando se parecem tratar do mesmo assunto. Isso acontece quando falamos de lucro e faturamento, duas palavras que, muitas vezes, parecem se tratar sobre a mesma variável. No entanto, elas têm significados muito diferentes, sendo muito importante que os gestores entendam essas particularidades.

De forma geral, faturamento é todo o dinheiro que entra na empresa por meia da comercialização de bem e/ou serviços. Ou seja, é o valor bruto de todos os rendimentos que um negócio pode ter. Por outro lado, o lucro diz respeito ao dinheiro que entrou na empresa, porém, após a subtração dos custos, como o de produção, folha de pagamento, entre outros.

Então, mesmo o microempresário precisa estar atento não somente quanto a esses dois conceitos, mas também como aplicá-los e gerenciá-los na prática, otimizando a rotina da empresa. E para ajudar você com isso, abaixo, explicamos os principais assuntos relacionados ao lucro e faturamento.

O que é faturamento?

Imagine que você tenha uma empresa prestadora de serviços, que faz instalação e manutenção de ar-condicionado. Ao final, do mês, todas as notas contabilizadas pagas pelos seus clientes entram na lista de controle do faturamento. Ou seja, é todo o dinheiro que entrou na empresa proveniente da prestação de serviços realizados, porém, sem serem deduzidos nenhum tipo de desconto, como impostos, por exemplo.

Nesse sentido, será considerado como o faturamento todos aqueles valores recebidos durante um determinado período, que costuma ser contabilizado mensalmente. Para exemplificar, considere que foram realizadas 120 instalações de manutenções de aparelhos de ar-condicionado em um mês, sendo cobrado R$100,00 para cada serviço.

Ao final do período, o faturamento da empresa será R$12.000 (120x R$100), ou seja, tudo que entrou no caixa naquele mês. No entanto, isso não significa, necessariamente, que todo esse montante estará disponível para o pagamento dos custos, fornecedores e colaboradores, por exemplo.

Identificar os valores do faturamento médio e também dos gastos e custos da empresa é essencial para manter as contas equilibradas. Afinal, nada adiantará ter um faturamento alto, se os gastos também são expressivos. Por isso, é importante que o gestor entenda bem o conceito, faça um controle permanente e sempre esteja em busca de melhorar a performance financeira da empresa.

O que é lucro?

Já para se obter os valores do lucro, é preciso considerar as informações das planilhas de faturamento, ou seja, tudo o que foi arrecadado, mas também subtrair todos os custos. De forma geral, a fórmula do lucro é: FATURAMENTO – DESPESAS = LUCRO.

Apesar de serem conceitos diferentes, perceba como os dois indicadores estão ligados e precisam estar integrados para que sejam feitas as análises corretas a respeito do andamento do negócio. Os custos que devem ser subtraídos do faturamento para se chegar ao lucro são bem variados, pois estão relacionados ao pagamento de salários e fornecedores, custos de produção, pagamento de impostos e despesas de marketing, por exemplo.

Ao final, todo o valor que sobrar após todos esses descontos pode ser considerado como lucro, ou o dinheiro real disponível para a empresa utilizar. Além disso, o conceito de lucro também está dividido entre dois grupos: lucro bruto e lucro líquido.

Para se chegar ao lucro bruto, é preciso somar todas as receitas da empresa em um determinado período e, posteriormente, subtrair todos os gastos de produção ou de execução dos serviços prestados. Por exemplo, em uma empresa que produz algo para vender, os gastos de produção são aqueles que correspondem à compra de matéria-prima, por exemplo.

Por sua vez, o lucro líquido considera outras variáveis, pois para se chegar ao valor final é preciso descontar custos fixos e determinadas tributações do lucro bruto. Para ficar mais claro, as fórmulas são as seguintes:

LUCRO BRUTO = FATURAMENTO – CUSTOS QUE SÃO VARIÁVEIS

LUCRO LÍQUIDO = FATURAMENTO – CUSTOS QUE SÃO VARIÁVEIS – CUSTOS QUE SÃO FIXOS – IMPOSTOS

Como fazer os cálculos do faturamento?

Uma responsabilidade dos gestores de pequenas, médias e microempresas é fazer a Declaração Anual do MEI, também conhecida como Declaração Simples. Esse documento é feito quando a empresa é optante do regime de tributação conhecido como Simples Nacional e nele deve constar as informações sobre o faturamento bruto anual do negócio.

Ou seja, é obrigação, mesmo do microempresário, controlar seu faturamento para que sua declaração ao Governo Federal não tenha nenhum tipo de erro. Inclusive, é importante estar atento ao fato de que antes de fazer a Declaração, todos impostos devidos devem ter sido pagos, como encargos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e de Serviços) e ISS (Imposto Sobre Serviços).

Existem dois tipos de faturamentos que devem ser considerados mensalmente: faturamento bruto e faturamento líquido. Como faturamento bruto, são considerados todos os valores obtidos pela empresa por meio da comercialização de produtos, bens e/ou serviços.

Já para encontrar o valor do faturamento líquido é preciso considerar o faturamento bruto e extrair os encargos que incidem na prestação do serviço ou venda dos produtos. Todo esse controle é feito mensalmente, sendo que ao final de cada ano se obtém uma planilha geral do faturamento anual.

Aqui, cabe destacar que é importante que o gestor tenha pleno conhecimento sobre o faturamento de sua empresa não apenas para se ter os números em uma planilha. Pelo contrário, pois a eficiência dessa variável começa a ser planejada antes mesmo da venda.

Por exemplo, para estipular preços o gestor precisa considerar certas projeções, variações de demanda e sazonalidade, tudo o que pode impactar diretamente no faturamento. Considerando isso, a venda nada mais é do que a concretização do faturamento, mas para se chegar até ele é preciso ter organização e planejamento.

Quais são os tipos de lucro?

Cada tipo de empresa, de acordo com seu faturamento, sofre um tipo de tributação específica. Ou seja, os impostos pagos por uma grande empresa são diferentes daqueles que são pagos pelo microempreendedor. Porém, quando a empresa opta por um sistema tributário, é preciso ter cautela e atenção, tanto para não se pagar menos quanto também para não se pagar mais do que é devido.

Entre os principais tipos de tributação, relacionados ao lucro da empresa, destacamos os seguintes:

  • Lucro real: esse tipo de tributação é o mais indicado para empresas como financeiras, bancos e sociedades de créditos, por exemplo. Os impostos são calculados a partir do faturamento mensal ou mesmo trimestral do negócio.
  • Lucro presumido: esse tipo de tributação foi criado para simplificar o sistema e é voltado para empresas que têm faturamento anual abaixo de R$78 milhões.
  • Simples nacional: pequenas e microempresas são as que utilizam esse regime tributário, que foi criado para diminuir a burocracia para esses negócios. De forma geral, o limite da receita bruta que se enquadra nesse regime é de R$4.800.000,00.

Como deu para perceber, mesmo as pequenas empresas precisam controlar seus números e finanças para manter o equilíbrio de suas contas. No começo, pode parecer complicado e o empreendedor deve buscar ajuda de profissionais da área contábil sempre que necessário. Dessa forma, as chances de erros e, consequentes problemas, serão diminuídas.

E se você gostou deste conteúdo sobre faturamento e lucro, aproveite para assinar nossa newsletter e receber em primeira mão via e-mail nossos posts!

Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: