Ir à falência: veja os principais motivos e como evitá-los

MEI
Publicada em 24/06/2019 - Fonte: Serasa Empreendedor
Ir à falência

Ir à falência. Essa é a frase mais temida por qualquer empreendedor, independentemente do porte do seu negócio. Esse medo não é à toa: segundo o Sebrae, 24,4% das micro e pequenas empresas foram fechadas em menos de dois anos. O percentual aumenta, se mudarmos o prazo para quatro anos: 50% delas fecham as portas.

Mas quais são os motivos que levam a um risco tão grande, a ponto de chegar à falência? O que esses microempreendedores estão fazendo de tão errado para perderem tudo o que investiram em tão pouco tempo? Não há uma resposta única para esses questionamentos. Há uma série de erros que podem levar um negócio a fechar as portas antes mesmo de ver os lucros entrarem no caixa.

Neste artigo, vamos mostrar os principais motivos que levam uma empresa à falência. Leia com atenção e tente perceber se alguma dessas atitudes pode ser mudada em seu empreendimento.

Deixar de analisar o mercado

A análise das tendências atuais e do que os concorrentes estão fazendo deve ser um processo contínuo em sua empresa, caso você não queira ficar para trás nesse mercado cada vez mais acirrado. Não dá para apenas confiar cegamente no produto ou serviço que se oferece: é preciso entender se o seu público está preparado para consumir o que a sua empresa está propondo.

Um dos grandes erros cometidos pelos empresários que acabaram fechando as portas antes do tempo foi criar soluções para algo que ninguém estava procurando — e não trabalhar para criar essa necessidade no mercado. O primeiro passo, então, para uma análise de mercado eficiente, é perceber se a sua empresa realmente vai resolver o problema das pessoas que seu negócio deseja atingir.

Não ter conhecimento do mercado de atuação

Mais do que uma análise geral do mercado, é preciso ter conhecimento profundo do segmento em que se deseja atuar. O estudo do mercado onde o seu negócio está inserido é fundamental para o sucesso do seu empreendimento, incluindo localização, público, concorrência, entre outros.

Essa ação está diretamente ligada ao tópico anterior e também deve ser realizada constantemente. O ideal é que seja inserida no seu planejamento estratégico, ajudando a definir o seu posicionamento de marca.

Negligenciar o planejamento estratégico

Por falar em planejamento estratégico, ir à falência nos primeiros anos de funcionamento de uma empresa pode ter relação direta com a falta de um estudo das variáveis que influenciam o seu negócio, tanto no ambiente externo quanto no interno. É preciso entender as forças e fraquezas da sua empresa, além de definir objetivos, metas, missão, visão e valores.

O planejamento estratégico deve ser visto como o ponto de partida na abertura de um negócio. Se você ainda não elaborou o seu, é tempo de reunir a equipe e definir de forma eficaz os objetivos a serem alcançados e as formas de diferenciar a sua empresa da concorrência.

Ignorar o cliente

Um dos principais problemas que levam uma empresa ao fracasso é a falta de conhecimento do seu público. Estudo divulgado pela Revista Exame apontou que 14% das startups que foram à falência simplesmente ignoraram os desejos, as necessidades e as dores dos clientes.

O que isso significa? O empreendedor pode achar que está no caminho certo, desenvolvendo os melhores produtos. Mas se demorar muito para colher o feedback dos seus clientes, analisando profundamente as respostas e corrigindo os rumos, quando necessário, não conseguirá seguir adiante por muito tempo. É preciso olhar além do próprio umbigo para conquistar o consumidor.

Não fazer o investimento necessário

Não saber como investir o capital leva a prejuízos e acaba descapitalizando a empresa, que sofre, consequentemente, com a incapacidade de se manter no mercado. Neste tópico entra, inclusive, a falta de investimento adequado na comunicação e no marketing. Isso porque ela leva ao desconhecimento do seu público-alvo, fazendo com que não se consiga atrair a atenção das pessoas para transformá-las em clientes.

Deixar de acompanhar as finanças

Muitas empresas demoram a perceber a importância de realizar uma gestão financeira eficiente dos seus negócios para que eles consigam seguir em frente. Muitas vezes, em especial nos primeiros anos de vida do empreendimento, acabam misturando as finanças pessoais com as da empresa.

Outro erro é não elaborar um fluxo de caixa e desconhecer seus números reais de lucratividade, rentabilidade e liquidez. Dessa forma, o empresário torna-se incapaz de tomar decisões embasadas e estratégicas para o negócio. Ir à falência torna-se um processo natural para as empresas que deixam de dar a atenção adequada às suas finanças.

Não fazer a precificação adequada dos produtos e serviços

Há uma série de fatores que devem ser levados em consideração no momento em que se faz a precificação de produtos ou serviços em uma empresa. Uma análise do mercado e da concorrência é fundamental nesse processo, pois o valor da sua marca está diretamente relacionado ao preço que ela cobra.

Assim, custo de produção, hora trabalhada, percepção dos clientes em relação aos valores e a prática da concorrência devem entrar em seus cálculos para determinar a sua precificação. Empresários que não dão atenção a esses fatores podem acabar sofrendo com pouca sobra para fazer investimentos estratégicos, em especial na atração de novos clientes e na inovação.

Deixar escapar colaboradores talentosos

Retenção de talentos: você já deve ter ouvido muito falar nesse assunto e ele não pode ser negligenciado em seu negócio. Ter os melhores profissionais do seu segmento é um dos caminhos mais certeiros para o sucesso da sua empresa, pois são eles os responsáveis por manter os fluxos funcionando para que as metas e objetivos sejam alcançados.

Deixar que eles sejam conquistados pela concorrência só trará resultados negativos para o seu empreendimento. É preciso, portanto, investir em processos seletivos eficientes e em ações que ofereçam recompensas pelos trabalhos realizados, a fim de fazer com que sua empresa seja a primeira opção dos colaboradores, mantendo-os comprometidos com o negócio.

Não investir na inovação

O investimento em inovação é necessário em todos os negócios, mas nos micro e pequenos é crucial para a sobrevivência no mercado. É preciso que o empreendedor entenda que a tecnologia é capaz de promover redução de custos e resolução de problemas de forma mais eficiente, escalável e sustentável para a sua empresa.

Ao deixar de inovar, a empresa termina atrás da concorrência, perde clientes, seus melhores funcionários e, até mesmo, fornecedores. Portanto, é necessário estudar e implementar tecnologias que facilitem os processos em seu negócio para prosperar.

Micro e pequenos empreendedores, muitas vezes, abrem o seu negócio sem ter um conhecimento aprofundado sobre administração, finanças, marketing e diversos outros assuntos fundamentais para que a empresa consiga seguir em frente e fugir da possibilidade de ir à falência. Soluções como o Serasa Educa, podem ajudar na organização da sua empresa e na elaboração do seu planejamento estratégico de forma eficiente, aumentando as chances de manter-se no mercado e de se destacar diante da concorrência.

Ficou interessado? Entre em contato conosco e conheça todas as soluções que o Serasa tem a oferecer para ajudar na gestão do seu negócio!

 


Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: