Descubra como calcular o capital de giro de sua empresa!

Finanças
Publicada em 01/03/2019 - Fonte: Serasa Empreendedor

Apesar de saber que a saúde financeira da empresa é fundamental para que ela continue em perfeito funcionamento, nem todo MEI (Microempreendedor Individual) sabe calcular o capital de giro. Este erro pode custar muito caro, já que este recurso ajuda a monitorar as finanças e a falta de capital de giro costuma ser uma das principais causas de falências de pequenas e médias empresas.

Quer entender mais sobre o assunto e aprender a calcular o capital de giro da sua empresa? Continue a leitura!

O que é capital de giro?

O capital de giro é o valor que a empresa precisa ter disponível para pagar as despesas operacionais. Ele é um tipo de reserva que tem o objetivo de suprir as necessidades financeiras da empresa ao longo do tempo.

Vale ressaltar, que o capital de giro é diferente do capital fixo ou permanente — valor utilizado para a compra de máquinas, instalações, matérias-primas, equipamentos e outros custos referentes ao início do processo físico de funcionamento da empresa.

Qual fórmula utilizar para calcular o capital de giro?

Não é necessário utilizar diversas fórmulas complexas para calcular o capital de giro. No entanto, é preciso que você mantenha um fluxo de caixa detalhado, além de ter conhecimento sobre os lucros da empresa. A fórmula para obter o cálculo é:

Capital de giro líquido (CGL) = Ativo Circulante (AC) – Passivo circulante (PC)

O Ativo Circulante se refere ao dinheiro que você já tem em caixa ou que receberá dos clientes. Nesta quantia são considerados valores como:

  • dinheiro na conta bancária;
  • investimentos financeiros;
  • valores que serão recebidos;
  • estoques;
  • despesas antecipadas;
  • títulos em geral;
  • depósito bancário;
  • matérias-primas;
  • mercadorias.

É importante controlar e monitorar também as vendas a prazo, já que o pagamento efetivo delas não é imediato. Já o Passivo Circulante se refere ao que você deve, incluindo:

  • pagamento dos funcionários;
  • débitos com os fornecedores;
  • quitação de dívidas;
  • impostos,
  • entre outros.

O valor do cálculo analisado varia muito de acordo com cada tipo de negócio e também com a necessidade de capital de giro de cada um. Quando o ciclo financeiro da empresa é mais curto — o tempo entre pagamentos e recebimentos é menor — a necessidade de capital de giro diminui.

Já quando a empresa se desenvolve muito rapidamente e precisa contratar mais funcionários e aumentar o estoque, a necessidade é maior. No entanto, é preciso ter em mente que, mesmo empresas iniciantes e de pequeno porte precisam realizar o cálculo.

Caso os parâmetros de caixa ainda não tenham sido definidos, geralmente são destinados três meses de despesas fixas para o capital de giro, considerando custos como água, luz, aluguel, internet, telefone, entre outros.

Ao calcular estes dois fatores e utilizar a fórmula informada, o resultado será o cálculo de giro líquido. Se ele estiver negativado, é sinal de que a empresa deve administrar melhor os gastos e os lucros.

Há relação entre capital de giro e fluxo de caixa?

Sim. O fluxo de caixa é a análise que verifica o quanto entra e o quanto sai em forma de pagamento, além de verificar o intervalo entre uma ação e outra. Agora imagine a seguinte situação:

Você compra o produto do fornecedor, que te entrega o produto e você realiza o pagamento. O produto vai para o estoque, depois para a prateleira e é vendido para o cliente, que paga a prazo. Do momento que o dinheiro sai do caixa, até que ele retorne, é preciso ter um valor para o pagamento das contas. O capital de giro é o montante de dinheiro que dará a cobertura durante este intervalo de tempo.

Por isso, também é importante calcular o prazo médio das contas a pagar. Por exemplo, se você faz o pagamento para os fornecedores metade a vista e metade em 30 dias, na média, o prazo de pagamento é de 15 dias. Faça também o cálculo do recebimento do pagamento dos clientes e estipule a média.

Dessa forma, é possível saber qual o intervalo de tempo em que o capital de giro deve ser utilizado. Com isso, fica claro como o fluxo de caixa influencia diretamente no cálculo do capital de giro.

É possível melhorar o capital de giro?

Quando o resultado do cálculo é negativo, existem algumas maneiras de reverter a situação e equilibrar as finanças.

No entanto, é importante analisar as alternativas e planejar cuidadosamente os próximos passos para não acabar em uma situação ainda pior. Confira agora algumas formas de solucionar este problema.

Obtenha ajuda de especialistas

Ainda que você entenda bem do seu negócio, contratar especialistas para orientar nas finanças pode te ajudar a evitar muitos problemas. Você pode entrar em contato com um contador e/ou um advogado, por exemplo.

Também há a opção de recorrer a um mentor, um profissional bem-sucedido que pode lhe ajudar compartilhando conhecimentos e experiências. Estes profissionais poderão dar dicas e sugerir estratégias para que você contorne a situação e conte com um capital de giro satisfatório para a sua empresa.

Utilize a tecnologia a seu favor

A tecnologia é uma grande aliada do microempreendedor, pois oferece ferramentas gratuitas ou de baixo custo que podem auxiliar na gestão administrativa e financeira. Atualmente já é possível verificar se os clientes possuem um histórico de crédito positivo, por exemplo.

Tais recursos ajudam a reduzir a inadimplência, um dos grandes problemas dos microempreendedores. Além disso, é possível consultar a saúde financeira da empresa, fazer cursos de capacitação e otimizar ainda mais a gestão do seu negócio.

Antecipe os recebíveis

É preciso pensar bem antes de recorrer a essa alternativa. Apesar de ser possível adiantar o pagamento das vendas a prazo, esta ação é acompanhada de uma taxa. Por isso, ela só vale a pena se as taxas de juros forem menores do que os custos das outras opções.

Recorra a um empréstimo

Muita gente acredita que os empréstimos servem apenas para quando a empresa já está no vermelho. No entanto, quando bem planejado, o empréstimo empresarial pode ser utilizado para resolver problemas urgentes ou dar o pontapé necessário para realizar a expansão da empresa.

Agora que você já sabe como calcular o capital de giro da sua empresa e conhece algumas opções caso a situação não esteja indo bem, basta colocar o processo em prática e manter o cálculo sempre atualizado.

Se as informações deste artigo foram úteis para você, compartilhe-o em suas redes sociais para que outras pessoas também possam se beneficiar delas!

Gostou desse conteúdo?
Compartilhe: